PROESO define obrigatoriedade ao exame da epididimite ovina

australiansheepsuffolk1A Secretaria de Agricultura do Rio Grande do Sul, por meio do Programa Estadual de Sanidade Ovina (PROESO) divulgou um documento que obriga os criadores a apresentar o atestado negativo para a epididimite ovina (Brucella ovis) para qualquer tipo de finalidade, salvo abate e emissão de GTA para movimentação de ovinos machos, inteiros, acima de seis meses.

O documento foi publicado no Diário Oficial do Estado no último dia 24 de março e a exigência do atestado está valendo desde o dia 25 de março. Ainda segundo o documento, todos os animais positivos serão sacrificados. Maiores informações podem ser obtidas diretamente no Departamento de Defesa Agropecuária (DDA) da Secretaria de Agricultura, com a Superintedência de Registro Genealógico ou com os inspetores técnicos da ARCO.

A epididimite causa inflamação que é automaticamente transmitida entre o rebanho. Nos machos não há cura por isso os animais precisam ser sacrificados, já as fêmeas se curam sozinhas no próximo ciclo. Importante ressaltar que a epididimite não é zoonose, por isso a carne dos animais sacrificados, pode ser consumida sem problemas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>