Fórum da Ovinocultura apresenta resultados do Projeto Cordeiro do Alto Camaquã

Marcos Borba apresentou o Projeto Cordeiro do Alto Camaquã (crédito: Lula Helfer/Afubra)

Marcos Borba apresentou o Projeto Cordeiro do Alto Camaquã (crédito: Lula Helfer/Afubra)

Marcos Borba apresentou o Projeto Cordeiro do Alto Camaquã (crédito: Lula Helfer/Afubra)

A cidade de Rio Pardo (RS) recebeu a Expoagro Afubra 2014 e no último dia 27 de março, o evento também sediou o Fórum da Ovinocultura. O encontra foram apresentados e discutidos assuntos como a viabilidade da ovinocultura nos Vales do Taquari e Rio Pardo, o Fundovinos e o Projeto Cordeiro do Alto Camaquã. O projeto foi desenvolvido a partir de 2009, quando um grupo de criadores da região se uniu para formar um associação.

A falta de coordenação da cadeia produtiva, a falta de confiança entre os setores da cadeia, a oferta irregular e a indefinição sobre a qualidade eram alguns dos problemas enfrentados pelos ovinocultores da região do Alto Camaquã. Organizados em grupo, eles tiveram a oportunidade de negociar com a indústria e o varejo para a venda da produção.

Assim, definiram padrões de qualidade, preço, prazo e quantidade. A demanda cresceu, assim como a oferta.Em abril de 2013 eram comercializados cerca de dez cordeiros por semana, já em dezembro do mesmo ano, esse número passou de 300. Hoje, o projeto faz parte de um grupo que agrega 20 associações, conta com cinco linhas de produtos e mais de 30 itens entre carne, artesanato e culinária.

De acordo com o pesquisador da Embrapa de Bagé, Marcos Borba, a tendência é um incremento ainda maior na produção com a busca de novos mercados e pontos de venda. “A qualidade tem mais relação em fazer a utilização correta dos recursos naturais do que com a capacidade de investimento do produtor”, explicou,

suffolkmapaA ideia de Borba é compartilhada pelo médico veterinário Marcelo Grazziotin, consultor do Programa “Juntos Para competir”, que falou sobre a viabilidade da ovinocultura nos Vales do Taquari e Rio Pardo. De acordo com o médico veterinário, não há como definir se a criação de ovinos é viável ou não. “Existem aspectos importantes para o sucesso do empreendimento, mas a produção tem a capacidade de ser rentável e viável para qualquer tamanho de propriedade”, afirmou.

O médico veterinário explica que, para isso, alguns fatores são determinantes, entre eles, a raça mais adequada de acordo com o tamanho e as características da propriedade. “Além disso, para uma produção bem sucedida, o mais importante não é o investimento, mas o manejo adequado.”

Durante o Fórum de Ovinocultura o Secretário Executivo do Fundo de Desenvolvimento da Ovinocultura (Fundovinos) ainda falou sobre o fundo, instituído em 1998, que dispõe sobre a produção e circulação de carne e derivados como lã. Segundo Roberto Azambuja, além de disponibilizar recursos para financiar a produção, um dos papéis principais do Fundovinos é “promover o desenvolvimento socioeconômico do setor, através da qualidade dos produtos.”

Com informações da Assessoria de Imprensa da Afubra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>