Criadores de ovinos de Cachoeira do Sul (RS) assinam termo de adesão do Programa Juntos para Competir

suffolk123No início deste mês, criadores de ovinos se reuniram no Sindicato Rural de Cachoeira do Sul (RS), para assinar o ermo de adesão do Programa Juntos para Competir. O Programa é uma parceria entre Sebrae, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e a Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), que tem o objetivo de capacitar os produtores tecnicamente e desenvolver a atividade agropecuária, proporcionando o aprendizado de gestão da propriedade como um todo. Neste caso a atividade desenvolvida será a criação de ovinos com foco na produção de carne para comercialização.

De acordo com a Diretora da Secretaria Municipal de Agricultura e Pecuária (SMAP), Luciane Muller, o programa pode se estender por até três anos, manifestado o desejo do grupo e do município. “Fazer parte deste programa era uma das metas da SMAP que desde 2012 esperava para ter a inclusão do município nesta atividade. Tivemos a adesão de 13 produtores no dia da primeira reunião e até o dia de hoje já são 18”, afirmou.

“Uma das metas é profissionalizar a criação e legalizar o abate de ovinos em nosso município, visando agregar mais valor ao produto final e também aumentar a oferta do mesmo, visto que em muitos casos os mesmos ainda são abatidos nas propriedades, o que dificulta sua comercialização em virtude da falta de inspeção sanitária”, afirmou o prefeito, Neiron Viegas.

Segundo o produtor rural, criador de ovinos e presidente da ARCO, Paulo Schwab , a ovinocultura é uma atividade que promove inclusive a inclusão social, pois se aproveita praticamente tudo da ovelha, desde o leite até o couro e a lã, que são usados na produção de vestuário e também para o artesanato. De acordo com ele, estudos recentes comprovam que a carne ovina também é rica em ácidos graxos como o ômega3.

Schwab ainda frisou que está sendo desenvolvido um selo de qualidade para a carne ovina oriunda do Rio Grande do Sul, proporcionando um reconhecimento a nível nacional e internacional do produto. “Porém a ovelha não é uma vaca pequena”, brincou Schwab. “Ela necessita de cuidados diferentes dos bovinos, mas quando são observados o manejo e as técnicas corretas de criação é uma atividade lucrativa”, explicou.

De acordo com os criadores, a demanda por carne ovina é maior do que a oferta atual, que também é muito sazonal, não tendo constância ao longo do ano. A intenção, segundo eles, é abater pelo menos 25 cabeças semanalmente no frigorífico Frigomai, que está situado no distrito de Três Vendas, mas a intenção é ampliar para um número.

Com informações da Rádio Fandango.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>