Banrisul já financiou mais de R$ 50 milhões para o Programa Mais Ovinos

banrisulsuffolk1O Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) já financiou aos produtores rurais do estado a quantia de R$ 53,9 milhões por meio do programa estadual Mais Ovinos no Campo, desenvolvido em parceria com a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio.

Deste valor, R$ 29,6 milhões referem-se à aquisição de ovinos e R$ 24,3 milhões para a retenção de matrizes. O crédito possibilitou a compra ou custeio de 316 mil animais. Criado em 2011, o programa beneficiou, até o momento, 2,3 mil produtores de todo o Rio Grande do Sul.

O secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Luiz Fernando Mainardi, afirmou que a iniciativa vem atingindo seus objetivos, na medida em que é uma das que mais contribuiu para o aumento do rebanho ovino em cerca de 30% nos últimos dois anos. “Quando o governador Tarso Genro anunciou o programa, o primeiro a ser lançado na atual gestão, tínhamos pouco mais de três milhões de ovinos e hoje já superamos a casa dos quatro milhões”, comemorou.

Outro dado informado pelo secretário é a diminuição do abate de fêmeas nos frigoríficos com inspeção oficial, o que possibilita antever, no médio prazo, números mais expressivos da população ovina no Rio Grande do Sul, que já teve 13 milhões de cabeças na década de 80. Em 2010, o abate de fêmeas foi de aproximadamente 211 mil animais, volume reduzido para pouco mais de 92 mil no ano passado.

Linhas de crédito
A rede de agências do Banrisul opera com linhas de crédito para retenção de matrizes e aquisição de fêmeas e reprodutores de ovinos. O prazo para pagamento de financiamento de retenção de matrizes é de três anos, com um ano de carência. A taxa de juros é de 2% para produtores enquadrados no Programa Estadual de Desenvolvimento da Pecuária Familiar (Pecfam). Para os demais, a taxa é de 5,5% ao ano.

Para aquisição de matrizes e reprodutores, o prazo para pagamento é de cinco anos, com dois de carência. A taxa de juros varia de 1% a 5,5% ao ano, conforme o enquadramento do produtor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>