ABCOS repudia decisão do Governo gaúcho de permitir animais sem o exame de Epididimite ovina

Recentemente, a Secretaria de Agricultura do Rio Grande do Sul informou a ARCO que permitirá, até o dia 31 de janeiro, a presença de animais em feiras e exposições que não tenham sem o exame de Epididimite ovina. De acordo com o Fiscal Estadual Agropecuário, Ivo Kohek Jr, responsável pelo ofício, a falta de antígeno pode prejudicar a participação de produtores rurais. Contudo, a ABCOS não concorda com a medida, uma vez que pode prejudicar outros criadores.

“Considerando que temos um laboratório particular fazendo o exame de Epididimite ovina com o teste de Elisa, não podemos deixar de seguir o que determina a legislação, entretanto, não podemos também prejudicar os produtores que enviaram soro para o IPVDF e que, por falta de antígeno, não tiveram tempo hábil para reenviar ao laboratório particular, podendo perder a chance de participação das feiras” diz a nota.

O presidente da ABCOS, Vinício Bastos, está apreensivo com a decisão do governo. “Os criadores de Suffolk investiram alto para que a Epididimite esteja cada vez mais longe das propriedades. O contato com a animais possíveis positivos podem gerar uma reação me cadeia de contaminação, prejudicando a Sanidade ovina de todo o Estado. A produção dos antígenos deve ser uma preocupação da secretaria da agricultura, tendo em vista a grande produção de ovinos no Rio Grande do Sul”, ressalta.

Ainda de acordo com o Bastos, os eventos são muito importantes para a divulgação do Suffolk e da ovinocultura, mas a medida deve afastar os produtores. “A ABCOS repudia a decisão do governo estadual. É preciso agir com responsabilidade porque os investimentos feitos nos últimos anos podem gerar um prejuízo inestimável ao valor agregado da carne. Os criadores temem a contaminação e a secretaria de agricultura deve estar atenta as consequências”, pondera.

Leia o ofício enviado à ARCO:

Prezado Dr. Edemundo – ARCO

Em resposta ao seu Oficio N° 01 ARCO/PRES, temos o seguinte:

Considerando que temos um laboratório particular fazendo o exame de Epididimite ovina com o teste de Elisa, não podemos deixar de seguir o que determina a legislação, entretanto, não podemos também prejudicar os produtores que enviaram soro para o IPVDF e que, por falta de antígeno, não tiveram tempo hábil para reenviar ao laboratório particular, podendo perder a chance de participação das feiras da semana que vem.

Diante do exposto autorizamos a participação dos ovinos sem o exame de Epididimite ovina nos eventos de aglomeração até 31 de janeiro de 2018. Entendemos que os ovinos que participarão de eventos de aglomeração a partir de fevereiro próximo têm tempo hábil para realizar o exame nos laboratórios cadastrados no PROESO – Programa Estadual de Sanidade Ovina.

Não se faria o rastreamento sugerido pela ARCO pois se perde o sentido, já que estamos isentando os exames por um determinado período.

Esta proposta esta acordada com a direção deste departamento.

Atenciosamente,

Ivo Kohek Jr.
Fiscal Estadual Agropecuário
Méd. Veterinário – CRMV RS 2231
SDP/PROESO
DSA/DDA/SEAPI
Av. Getúlio Vargas, 1384 – Sala 14
Porto Alegre – RS – CEP 90150-900

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>